sexta-feira, 14 de novembro de 2008

Paranóias políticas

SE OBSERVARMOS COM ATENÇÃO certos políticos que exercem o poder, verificamos que eles têm uma tendência patológica para sobrevalorizar as suas próprias qualidades, tendência essa que se traduz na mania das grandezas e numa ambição pessoal desmedida.
.
A megalomania – assim se designa tal tendência – conduz, regra geral, à interpretação errónea da realidade em consequência da susceptibilidade aguda do político, que acaba por se traduzir numa desconfiança extrema que pode chegar ao delírio persecutório.
.
Verifica-se, em suma, uma concentração patológica do político sobre si próprio, que se caracteriza, ao mesmo tempo, por um subjectivismo delirante e um alheamento do real. Este ensimesmamento, a que se chama autismo, acaba por desviar o político daquilo que o senso comum considera correcto e razoável, e leva-o mesmo a experimentar satisfação na prática de comportamentos estranhos, em que avultam a crueldade e a dissimulação.
.
Se quisermos aplicar à actualidade política portuguesa, continental e insular, esta grelha de perturbações mentais – na qual se entrecruzam megalomania, paranóia, autismo e perversidade – facilmente concluiremos que não serão assim tão poucos os políticos lusitanos cujos comportamentos paranóides os situam na antecâmara do manicómio.

2 comentários:

Anónimo disse...

Muito bem visto. E se a tudo se acrescentar a estupidez, meio endémica, meio contumaz, a mania das grandezas e o incrível hábito de confundir dinheiro com riqueza, típica do tuga padrão (não tem nada a ver com ser dr ou não, honesto ou trafulha, rico ou pobre, etc), ficamos com uma bela explicação para o fiasco dos últimos 500 na pátria-bordel.

Jacinto Figueiredo disse...

Não sei se existe melhor forma de traduzir o sentimento que sinto, muito obrigado.